segunda-feira, 14 de abril de 2014

CHEGAMOS AO FIM

Menos Automóveis nas Ruas cumpriram sua meta e agora se despede encerrando sua trajetória. Agradecemos a todos que leram seus textos pelo apoio e interesse. O que foi produzido até aqui continuará no ar, mas deixaremos de lançar novos textos.

Por isso, muito obrigado a todos e valeu essa trajetória de cerca de quatro anos. Abraços a todos.


domingo, 13 de abril de 2014

SOLUÇÕES PARA DIMINUIR OS CONGESTIONAMENTOS


Para reduzir os congestionamentos das ruas, existem soluções bastante criativas para reduzir ou desestimular que as pessoas usem automóveis sem a menor necessidade.

Uma boa sugestão é a FLEXIBILIZAÇÃO DO HORÁRIO DE TRABALHO. Se as empresas distribuírem as cargas horárias para começarem às 7h, 8h, 9h e 10h pode ser que haja uma melhor distribuição do fluxo de carros, já que deixaria de dar um único horário para todos se deslocarem de casa para o trabalho e vice-versa.

Esta é uma sugestão bastante controversa, bastante polêmica, e será preciso uma nova mentalidade do mercado de trabalho, incluindo decisões também do Governo Federal, para que novas regras permitam essa redistribuição de cargas horárias, o que também inclui conversas com sindicatos.

Uma outra sugestão excelente, e esta pode ser prontamente adotada, é a recomendação publicitária semelhante à que é feita para bebidas alcoólicas. No final de cada propaganda de automóvel, deveria ser colocado um anúncio como este da foto acima e, no caso das propagandas de TV e outras mídias visuais, haveria uma voz em off lendo o aviso escrito.

Com o anúncio, ninguém precisa deixar de comprar automóvel, mas terá de pensar muito nas ocasiões em que deve realmente usá-lo, para que assim não cause prejuízos a si próprio e aos outros por causa de tantos carros nas ruas.

Um aviso desses, dizendo "Use o automóvel somente quando necessário. Evite congestionamentos" é bastante claro e conciso, e faria as pessoas refletirem sobre essa ideia. Isso porque os congestionamentos prejudicam diversos compromissos pessoais e até mesmo a rotina de trabalho.

Esta sugestão deve ser pensada por nossos publicitários e seria melhor que seja considerada. Afinal, o aviso não prejudicará o mercado automobilístico, apenas controlará o uso de automóveis, desestimulando as pessoas a irem de carro sem necessidade.

sábado, 12 de abril de 2014

TER AUTOMÓVEL É MUITAS VEZES TER PROBLEMAS


O que os muitos comerciais de automóveis não mostram é que ter um carro é sinônimo de dor de cabeça devido a muitos transtornos que surgem quando se compra um automóvel.

Para começar, será que todo mundo tem mesmo necessidade de ter um automóvel? Será que é preciso ir de carro para comprar alguma coisa na esquina, ou levar as crianças para a escola só por uma questão de status?

O uso sem necessidade de automóveis faz com que haja trânsito congestionado nas grandes cidades, causando sérios problemas para quem vai e vem de seus compromissos diários diversos. Isso torna-se um desafio à paciência de qualquer um, por causa do prazer supérfluo de quem usa carro sem necessidade.

Alguns transtornos fazem com que ter um automóvel não seja um benefício para qualquer um:

1) Ter automóvel significa despesas com IPVA, imposto especializado para quem tem carro;

2) Ter automóvel representa gasto constante de combustível;

3) Ter automóvel significa ter um dinheiro para pagar flanelinhas que se julgam "donos" das calçadas. Se não pagar, eles podem cometer represálias sérias;

4) Ter automóvel significa perder tempo pois, com mais carros nas ruas, mais congestionamentos e mais trânsito lento ou parado.

5) Em certos casos, ter um automóvel também significa estar à mercê de acidentes de trânsito, que tantas vidas ceifaram ou danificaram.

São esses os principais transtornos de quem bota o carro para circular nas ruas. E esse suposto conforto causa muitos desconfortos, transtornos diversos e até insegurança. Portanto, se você assistiu àquele comercial atraente de automóvel, tome cuidado. Pense várias vezes antes de ter um automóvel. Pode representar perda de dinheiro, de sossego e até de vida.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

COBRADOR FORA DO SEU LUGAR NÃO TRAZ FUNCIONALIDADE NEM SEGURANÇA


A cena é a seguinte. Num ônibus, um cobrador permanece em pé no corredor do ônibus e mal se encosta junto à mesa do torniquete para cobrar passagens. Às vezes, dependendo do caso, até pula para sentar na sua cadeira, quando um dado número de pessoas embarca no veículo.

No entanto, é só sentar o último passageiro em embarque e o ônibus dar alguns metros depois da arrancada para o cobrador sair de seu lugar e se dirigir para a frente do ônibus, geralmente em pé no degrau da porta dianteira.

Se o banco do cobrador se encontra junto à porta de trás, a coisa fica ainda mais grosseira. O ônibus circula com o banco do cobrador vazio enquanto o referido cidadão se encontra geralmente na frente do ônibus ou sentado em algum banco de passageiro.

As desculpas para essa prática são muitas, incluindo calor, desconforto e prevenção (?!) contra assaltos. Só que a medida comprovadamente não garante segurança e não traz a menor funcionalidade, além de causar incômodo aos passageiros e faltar com o profissionalismo.

ANALISANDO O PROBLEMA

Antigamente, pelo menos entre os anos 70 e 80, o cobrador de ônibus ficava sentado o tempo inteiro do percurso sentado em seu banco. Desde o embarque do primeiro passageiro até o ponto final, ele permanecia no seu lugar, disciplinado, cobrando passagens, dando o troco e mantendo-se sentado no seu lugar mesmo não recebendo o passageiro na ocasião da tarifa.

Hoje, porém, há casos de cobradores que ficam o tempo inteiro fora de seus bancos. Inquietos e, por vezes, agressivos, alguns chegam mesmo a conversar temas banais com os respectivos motoristas, algo que já não é aconselhável nos avisos colocados nos painéis dos ônibus.

Evidentemente há vários fatores que fizeram mudar tal prática. Primeiro, é a colocação do torniquete na parte dianteira, mudando o embarque para a porta da frente, o que faz com que os cobradores dos ônibus que ainda mantém torniquetes na parte de trás tenham o banco do cobrador praticamente desocupado, a não ser em momentos de significativa lotação.

Isso quer dizer que o cobrador acaba tendo ânsia de ficar próximo do motorista, mas o hábito de ficar fora de seu lugar, em vez de trazer a presumida segurança - os cobradores alegam medo de serem assaltados - , só agrava as coisas, já que os ladrões simplesmente encontram a roleta livre para, quietos, se sentarem em alguns bancos de passageiros para depois fazerem o assalto.

Além disso, é muito fácil o ladrão render o cobrador que se situa em pé no degrau da porta dianteira, de forma ainda mais cruel do que quando o cobrador fica sentado em seu lugar. Para os ladrões, só o fato do cobrador ficar fora do lugar respectivo soa como uma reação ao assalto.

Em vez dessa atitude supostamente paliativa, os ônibus deveriam sempre ter algum policial, pelo menos nas linhas em que a ocorrência de assaltos é mais frequente. Reforçar o policiamento e a iluminação nas ruas, além de estimular o movimento das pessoas, seriam formas de diminuir tais riscos.

INTERVALOS PEQUENOS E BANCOS NADA ANATÔMICOS

Os problemas que influem também na atitude dos cobradores é que os intervalos de parada dos ônibus diminuiram drasticamente e os rodoviários mal têm tempo sequer para fazerem os lanches. Neste sentido, a responsabilidade fica com os empresários de ônibus, governantes e secretários de transportes que nada fazem para resolver tais problemas.

Antigamente, os ônibus tinham maior intervalo de parada. Com isso, o cobrador do ônibus que encerra eu percurso e chega ao ponto final poderia esperar o ônibus desligar o motor para sair de seu lugar e dar uma leve caminhada para um bate-papo ou lanche.

Hoje, portanto, tudo fica caótico. O cobrador faz folga em pleno serviço, e o bate-papo muitas vezes pode desviar a atenção do motorista, criando risco de acidente. E se o cobrador fica em pé no degrau da porta dianteira, o risco dele sair gravemente ferido num acidente é grande, já que ele pode ser atingido por estilhaços de vidro da janela quebrada.

Já quanto aos bancos, os ônibus criaram assentos para o cobrador que não são anatômicos. Os bancos não oferecem conforto nem segurança e podem prejudicar até a coluna. Até a posição da manivela prejudica as pernas, daí o incômodo que são esses assentos.

Os fabricantes de ônibus deveriam consultar ortopedistas para que sejam adaptados bancos de cobrador mais confortáveis e funcionais, para estimulá-los a permanecer neles sentados enquanto os ônibus seguem seus itinerários.

terça-feira, 8 de abril de 2014

PREFEITURA DE NITERÓI DESPERDIÇA TRECHO DA RUA DR. CELESTINO


Supostamente para disciplinar o trânsito em Niterói, a prefeitura do município cometeu uma grande besteira desperdiçando um bom trecho da Rua Dr. Celestino, defronte ao Hospital Universitário Antônio Pedro e na esquina com a Av. Marquês do Paraná, na saída de um "mergulhão".

Ele foi "interditado" para o trânsito com faixas pintadas, obrigando os veículos a fazerem uma curva para entrar na avenida. São duas faixas desperdiçadas, o que causa um transtorno sobretudo nos horários de pico.

Se os técnicos que decidiram essa bobagem julgam que a medida visa evitar o congestionamento do trânsito no encontro da Rua Dr. Celestino com a saída do "mergulhão", a avaliação é equivocada.

Afinal, se supostamente é evitada a concentração de carros no encontro dos dois logradouros, no entanto há congestionamento na Rua Dr. Celestino, que causa um grande incômodo para os motoristas que percorrem sua pista nos horários de maior movimento. Evita-se o congestionamento da esquina, mas na Rua Dr. Celestino há o "afunilamento" do tráfego.

Cabe à Prefeitura de Niterói desfazer esse grande equívoco e liberar o trecho para o tráfego dos veículos. Não há a menor necessidade de criar uma área assim tão ociosa. Já tem gente apelidando esse trecho de "Largo dos Bobos", tamanho o desperdício que em nada ajuda para a mobilidade urbana, estando mais a ver com "bobilidade urbana".

ÔNIBUS DA PÉGASO SOFRE INCÊNDIO NA AV. BRASIL


Um ônibus executivo da Expresso Pégaso sofreu um incêndio hoje de manhã, às 9h20, na Av. Brasil, altura da Penha e sentido Centro-Zona Oeste, no Rio de Janeiro.

Houve retenção no trânsito do local e técnicos da CET-Rio, que gerencia o tráfego na cidade, foram ao local. Não houve informações de feridos, mas a fumaça pôde ser vista ao longe, na altura de Caju, por exemplo.

O congestionamento se estendeu nas várias pistas e atingiu também as áreas de Irajá, Bonsucesso e Cordovil.

quinta-feira, 27 de março de 2014

LINHA 232 GERA ESPERAS DEMORADAS DOS PASSAGEIROS


Linha antes considerada exemplar na região do Méier, a tradicional 232 Lins / Praça 15 já teve dias melhores. Hoje, além de ter a frota sucateada, sacolejante e com lataria amassada até em carros semi-novos, a linha, servida pela Rodoviária A. Matias (consórcio Internorte) é hoje um desafio à paciência dos passageiros.

Quem sai do Hospital Marcílio Dias e anda, no sentido inverso dos veículos, na Rua César Zama em direção à Rua Vilela Tavares, se deslocando à esquerda para o ponto na Rua Lins de Vasconcelos, chega a esperar até uma hora por um ônibus 232 para ir ao Centro do Rio de Janeiro, ou ao menos para ir até bairros como Vila Isabel, Maracanã e Praça Onze, que integram seu percurso.

Sem poder exibir desde 2010 o imponente verde kiwi que caraterizava sua frota, a antes exemplar Matias, que era ágil e eficiente na renovação e manutenção da frota, hoje tem carros sucateados até na frota executiva. Os ônibus da Marcopolo Audace, que servem a 2251 Castelo / Engenho de Dentro, que já exibem a pintura padronizada, já mostram amassos em sua lataria.

Hoje a empresa até repõe carros antigos com similares, mas não adianta. Se substitui os carros da Marcopolo Torino 2007 por outros recentes do mesmo modelo, eles apresentam o mesmo estado sucateado dos que havia substituído.

Dá calafrios pegar um 232. Os ônibus estão correndo como não era costume na linha. E, quando correm, mostram o quanto estão sacolejantes, parecendo que os parafusos estão se soltando e que até os pneus correm o risco de fugirem por aí, provavelmente abatendo, até mortalmente, algum desavisado.

E se a espera é muita, os primeiros ônibus que chegam ficam lotados. E, correndo ao longo das diversas ruas de seu percurso, causa insegurança aos passageiros. O risco do ônibus perder a direção e bater em algum poste ou muro ou invadir uma loja é muito grande.

Esse é um exemplo de como o "novo" sistema adotado pela Secretaria Municipal de Transportes Rodoviários impôs para o Rio de Janeiro. Um projeto tecnocrático, opressivo, que impede as empresas de adotar identidades visuais que pudessem significar um diferencial de identificação pelo passageiro comum.

Com isso, e com uma lógica rígida de cumprimento de horários numa cidade que não permite o trânsito livre de veículos, faz com que toda sorte de inseguranças, irregularidades, acidentes e tragédias aconteça. Quem pegava a linha 232 no passado sabe que, depois de 2010, a linha decaiu completamente.

CAMINHÃO E ÔNIBUS BRT SOFREM ACIDENTE NO RJ


Um ônibus BRT da Auto Viação Jabour - consórcio Santa Cruz, sistema Transoeste - se envolveu hoje de manhã, às 8h10, num acidente, ao colidir com um caminhão na saída do túnel Grota Funda, em Guaratiba, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

O acidente complicou o trânsito da Av. das Américas, sentido Alvorada, e, segundo informações do Corpo dos Bombeiros, pelo menos 30 pessoas que estavam no ônibus ficaram feridas. O túnel chegou a ficar interditado por cerca de dez minutos. O caminhão tombou depois do acidente.

A Auto Viação Jabour, recentemente, foi denunciada pelo péssimo estado de sua frota.

quarta-feira, 26 de março de 2014

FROTA DA AUTO VIAÇÃO JABOUR APRESENTA IRREGULARIDADES


Já que as empresas de ônibus não tem mais uma imagem a zelar, já que agora exibem a imagem da Prefeitura do Rio de Janeiro - ou seja, a padronização visual distribuída para os consórcios - , elas também deixam de ter a responsabilidade pela manutenção.

A Auto Viação Jabour, que agora se confunde, em pintura, com a Expresso Pégaso, Auto Viação Bangu, Transportes Barra, Transportes Campo Grande, Rio Rotas e City Rio, se nivela a essas empresas em termos de frota velha e irregular.

Segundo denúncias no Twitter, ônibus que circulavam na linha 918 Bonsucesso / Bangu - que passa por bairros como Del Castilho, Cascadura e Madureira - apresentavam dianteira empenada, luminária quebrada, bancos de passageiros soltos ou quebrados e corda da cigarra partida. Um ônibus chegou a ser lacrado por causa do péssimo estado de conservação.

Uma foto foi registrada pelo celular de um internauta, mostrando o estado de conservação do carro D86114. A SMTR diz que realiza vistorias e afirma ter lacrado 180 ônibus. A Rio Ônibus, entidade patronal, também disse lamentar o ocorrido.

EMPRESAS "BOAS" COM CARROS SUCATEADOS

Num passeio ontem pela Tijuca, pode-se observar, por exemplo, que uma empresa tradicional como a Auto Viação Tijuca apresentou frota sucateada, com vários veículos apresentando lataria amassada ou mesmo arranhões. O carro C50182 chega a parecer mais velho do que é, quando apenas tem quatro anos de fabricação.

Foram observados também carros sucateados da Auto Viação Alpha, Viação Nossa Senhora das Graças e Real Auto Ônibus, todos apresentando sérios amassos na sua lataria e rodando sacolejantes como se estivessem com a estrutura danificada e os parafusos prestes a se soltarem.

Observou-se também que mesmo empresas como a Rodoviária A. Matias e Transportes Vila Isabel apresentam danos em carros novos. O carro B25818, executivo da Matias, Marcopolo Audace já com a pintura padronizada (Internorte), apresentou amassos na lataria do ônibus, no lado direito. Já o carro A27517, piso baixo da CAIO Mondego da Vila Isabel (Intersul), apresentou sérios arranhões.

segunda-feira, 24 de março de 2014

VIDRO DE JANELA TRASEIRA DE ÔNIBUS CAI DURANTE TRÁFEGO EM NITERÓI

ESTE CARRO (FOTO MAIS ANTIGA) SE ENVOLVEU EM INCIDENTE COM VIDRAÇA SE QUEBRANDO EM PLENO TRÂNSITO.

Um ônibus da Santo Antônio Transportes sofreu um sério incidente no final da tarde de hoje, quando trafegava nas ruas de Niterói. Depois de curvar a Rua Miguel de Frias em direção à Rua Mem de Sá, no bairro de Icaraí, o vidro da janela de trás do veículo, número 2.2.092, que servia a linha 34 Largo da Batalha / Centro, caiu e se quebrou, enquanto o ônibus corria.

Sabendo do incidente, o motorista do ônibus parou o veículo no primeiro quarteirão da Rua Mem de Sá, para verificar o ocorrido. O ônibus estava com poucos passageiros, que tiveram que desembarcar do veículo, que depois saiu em disparada para a garagem da empresa, no bairro de Pendotiba.

Apesar do incidente ter chamado a atenção dos transeuntes, ele não deixou feridos. O veículo tem quatro anos de fabricação. O incidente ocorre um dia depois de um acidente com outro ônibus da Santo Antônio, no Jardim Icaraí, que derrubou um poste de energia elétrica.

ACIDENTE DEIXOU DEZ FERIDOS ESTA MANHÃ, NA TAQUARA, NO RJ


Um acidente ocorrido esta manhã deixou dez feridos na Estrada do Tindiba, na Taquara, região de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Dois ônibus se colidiram quando passavam pelo local, por volta das 6h30, invadindo uma loja de peças para carros. Ambos eram da Viação Redentor (consórcio Transcarioca) e um dos ônibus não apresentava identificação de número de carro no teto.

O trânsito ficou congestionado no local, e as vítimas foram encaminhadas para os hospitais Lourenço Jorge, na Barra, e Miguel Couto, na Gávea.

ÔNIBUS ATROPELA E MATA TRÊS NO RIO DE JANEIRO


Um acidente com um ônibus da Auto Viação Jabour, do serviço alimentador do BRT Transoeste do consórcio Santa Cruz, causou a morte de três pessoas. Um motorista teria dormido ao volante, fazendo o ônibus perder direção e atropelar as vítimas.

O acidente ocorreu hoje pela manhã, às 10h30 em Guaratiba, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O motorista, que tem cerca de 60 anos e foi identificado pela polícia, fugiu sem prestar socorro às vítimas. Dois dos mortos eram crianças, uma delas morrendo no hospital, outra morrendo na hora. A terceira vítima era um adulto que morreu no momento do acidente.

O ônibus teria invadido a calçada de um ponto no bairro. A criança que morreu depois chegou a ser internada no Hospital Estadual Rocha Faria, no Campo Grande. Uma quarta vítima do atropelamento foi internada em estado grave no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias.

ÔNIBUS ENGUIÇADOS OU ACIDENTADOS E ATÉ COM PAINEL SEM IDENTIFICAÇÃO DE CARRO


Enquanto se anuncia a alteração de pontos de ônibus em Ipanema, para as obras do metrô na Zona Sul do Rio de Janeiro, e O Globo lança uma reportagem baseada em foto com a atriz Lucélia Santos pegando um ônibus, eis que irregularidades acontecem na Cidade Maravilhosa e até mesmo no outro lado da Baía da Guanabara.

No último fim de semana, foi observado o péssimo estado de conservação do carro C41384, da Real Auto Ônibus (frota do consórcio Transcarioca), na linha 315 Central / Recreio, via Linha Amarela. Com cinco anos de fabricação, o carro parece mais antigo, e sacolejava como nos antigos carros da recém-desativada Turismo Trans1000.

Mas o que se nota, também, é que o painel interno do referido veículo não apresentava qualquer tipo de identificação do número do carro. É comum também não haver identificação de carro nos tetos dos ônibus, assim como se deixa de identificar o número e o destino de linhas nos letreiros lateral e traseiro, seja de lona ou digital.

Um carro da Transportes Futuro chegou a circular, na última sexta-feira, entre o Itanhangá e a Barra da Tijuca, bastante lotado, sem apresentar qualquer identificação do número e do destino da linha, mesmo no letreiro digital dianteiro, num horário de grande movimento e demanda e num logradouro da importância da Av. das Américas.



Em Copacabana, como mostra a foto no alto deste texto, mostra um veículo da Transportes São Silvestre enguiçado, na altura da Rua Raul Pompeia, em Copacabana, já se preparando para ser rebocado pelo guincho da Intersul, o que mostra o quanto até guinchos e cabines também foram castigados pela padronização visual do prefeito Eduardo Paes.

A Transportes São Silvestre, antes empresa exemplar, também apresenta ônibus sucateados e com alguns amassos, algo que se tornou regra entre os ônibus cariocas. Nota-se que, mesmo num bairro como Copacabana, passam dezenas de ônibus que, juntos parecem um comboio de caminhões de entulho de tanto chacoalharem enquanto rodam, em alta velocidade.


No outro lado da Baía da Guanabara, houve um acidente com um ônibus da Santo Antônio Transportes, carro 2.2.061, considerado semi-novo - fabricado em 2011 - , que servia um dos ramais da linha 39 Piratininga / Centro e se dirigia, sem passageiros, ao Centro de Niterói.

O poste foi atingido e houve rumores de que a energia elétrica tivesse que ser cortada em todo o entorno do Jardim Icaraí para o conserto do poste, mas o corte foi apenas parcial. Apesar do sério acidente, não houve feridos.


E nada como lembrar um episódio com uma atriz para completar a tragicomédia. Pois recentemente a veterana atriz e produtora Lucélia Santos causou polêmica ao afirmar que é passageira de ônibus. A atitude, em si, é bastante correta, mas a julgar pelo estado do transporte coletivo no Grande Rio, ela já significa assumir riscos e transtornos.

Nota-se que a reportagem de capa da Revista O Globo de ontem não mencionou em um momento sequer os nomes das empresas. Os coitados dos entrevistados já tinham a trabalheira de mencionar os números das linhas, e um deles reclamou da mudança do código de um ramal da linha 233 (Rodoviária / Barra da Tijuca) para 302.

A pintura padronizada não foi questionada, aparentemente, mas pelo tom da reportagem podemos inferir que a medida nem de longe está sendo apoiada pela população. Pelo contrário, ela traz desvantagens, incômodos, transtornos, confusão. A população apenas "aceita", um hábito "herdado" das imposições da ditadura militar.

A própria Lucélia havia pego ônibus da Tijuca e da Barra da Tijuca, mas na foto ela posa provavelmente diante de um ônibus da Real Auto Ônibus, que geralmente liga a Zona Sul e a Barra da Tijuca a bairros do Centro, de São Cristóvão / Maracanã e do Parque União / Maré.

Tudo virou confusão, transtornos, irregularidades. E os passageiros ainda vão ter que se deslocar para outros pontos, porque Ipanema virou um canteiro de obras. Esse é o modelo de mobilidade urbana e transporte coletivo feito por pessoas que não usam ônibus, não sabem o que é interesse público e mais parecem governar para riquinhos de Barcelona prestes a visitar o Rio de Janeiro.

quarta-feira, 12 de março de 2014

EMPRESAS INTERMUNICIPAIS SUCATEIAM FROTA PREVENDO PINTURA PADRONIZADA

ACIDENTE COM ÔNIBUS DA RIO ITA, OCORRIDO HOJE DE MANHÃ, NA AV. PRES. VARGAS, NO RIO DE JANEIRO.

Temendo a implantação da pintura padronizada e já sofrendo o poder concentrado dos órgãos estatais de administração do transporte coletivo, as empresas de ônibus intermunicipais deixaram de fazer manutenção em suas frotas que agora também se envolvem em vários acidentes.

Empresas como Turismo Rio Ita, Auto Ônibus Fagundes, Transportadora Tinguá, Transturismo Rio Minho, Viação Mauá, Auto Lotação Brasília e Viação Galo Branco já apresentam vários ônibus danificados, que aos poucos parecem apresentar defeitos nas latarias e nas estruturas dos ônibus, que rodam "sacolejando".

"Fantasma" da Transmil? Não. Mas talvez seja, por um lado, a intervenção do poder do Estado, que confunde administrar com dominar, fiscalizar com dar ordens. A concentração do poder estatal, cujo símbolo é a pintura padronizada nos ônibus (que vincula as frotas de ônibus à imagem ditada por cada prefeitura), parece assombrar os ônibus que ainda não receberam a "farda" estatal.

Isso porque as atribuições de poder parecem confusas no Estado do Rio de Janeiro, como nos demais Estados do país que adotam o "modelo Jaime Lerner", considerado excessivamente tecnocrático e ditatorial.

O sistema de ônibus é operado por empresas particulares que recebem linhas por concessão de cada prefeitura. No entanto, a imagem a ser exibida pelas frotas de ônibus é a da prefeitura ou do órgão estatal (no caso de intermunicipais).

Isso cria uma crise de representatividade, que está provocando a queda vertiginosa do sistema de ônibus nas cidades envolvidas, sendo o município do Rio de Janeiro um dos casos mais graves, em que acidentes ocorrem todo mês em vários pontos da Cidade Maravilhosa, causando centenas de feridos e até vários mortos.

Essa crise de representatividade se dá porque as empresas de ônibus não podem operar linhas de determinada cidade exibindo suas respectivas identidades visuais. A pintura padronizada sugere uma mensagem, para quem entende de Comunicação: o Estado responde pela imagem, e não a empresa, como deveria ser nas relações de consumo entre o passageiro que paga passagens e o ônibus que usa.

Como a imagem é vinculada à prefeitura - ou talvez ao DETRO, se ocorrer a pintura padronizada das linhas intermunicipais, hipótese temida pelas empresas de ônibus - , as empresas deixam de ter responsabilidades, e desleixam na manutenção dos ônibus. Daí as frotas sucateadas, daí os acidentes. Ter identidade visual, antes de ser uma questão estética, é uma questão de responsabilidade.

Empresas como Viação Mauá, Empresa de Transportes Braso Lisboa, Viação Galo Branco, Expresso Pégaso, Viação Pendotiba, Auto Lotação Ingá e Auto Ônibus Brasília ainda podem exibir suas identidades visuais nas frotas intermunicipais. Todavia, já descuidam até mesmo desses carros, se preparando para receber a provável pintura do DETRO com as frotas danificadas.

terça-feira, 11 de março de 2014

CATAMARÃS ENTRE RIO E NITERÓI ASPIRAM LIXO E CAUSAM ATRASOS


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Extremamente caras, as lanchas não sofrem manutenção adequada nem limpeza, não há frota suficiente para o cumprimento de horários sem espera demorada, o que significa que a alta tarifa não corresponde à qualidade do serviço prestado na ligação entre a Estação de Charitas, em Niterói, à Praça 15, no Rio de Janeiro.

Catamarãs entre Rio e Niterói aspiram lixo e causam atrasos

Por Marcelle Ribeiro - Portal Terra

Dois catamarãs que fazem o transporte de passageiros entre a estação de Charitas, em Niterói, na região metropolitana do Rio, e a Praça XV, no centro da capital fluminense, apresentaram problemas na manhã desta terça-feira após seus motores terem sugado lixo da Baía de Guanabara. Segundo a concessionária que administra o serviço, elas foram retiradas de circulação após detritos terem sido aspirados pelas embarcações. Com isso, formou-se uma grande fila de passageiros na estação de Charitas, já que, com menos barcas, diminuem as partidas para o Rio.

Após passarem por manutenção, as duas embarcações voltaram à operação, às 11h. Segundo a concessionária, as partidas foram normalizadas e acontecem de acordo com o programado na grade de horários.

A empresa ofereceu aos passageiros que chegavam à estação de Charitas um ônibus gratuito para ir até outra estação de Niterói, na Praça Arariboia, no Centro, de onde podiam pegar embarcações para o Rio.

Em nota, a concessionária CCR Barcas informou que a grande quantidade de lixo na Baía de Guanabara influencia na velocidade dos barcos e na duração da viagem. "Após fortes temporais, o lixo represado nos rios que desaguam na baía é levado pelas marés até as rotas e áreas de manobras das nossas embarcações. Em épocas de muitas chuvas, a quantidade de lixo flutuante chega a triplicar, provocando quebra de peças e aquecimento de motores das embarcações, que muitas vezes precisam sair de operação para reparos".

A CCR afirma que as embarcações muitas vezes também têm que reduzir a velocidade na Baía de Guanabara devido ao tráfego na Baía, cada vez mais intenso, devido ao aquecimento da economia do Rio.

segunda-feira, 10 de março de 2014

TRÊS ACIDENTES ENVOLVENDO TRANSPORTES SOMA MAIS DE 30 FERIDOS EM RJ E NITERÓI


Três acidentes nos últimos dias, um em Niterói e outro no Rio de Janeiro, somam mais de 30 feridos. O mais grave aconteceu no Rio de Janeiro, em Madureira, com um ônibus da Viação Rubanil, na linha 685 Méier / Irajá, que colidiu hoje de manhã contra uma casa.

O ônibus estava lotado e perdeu a direção, e o acidente ocorreu na Rua Maria Lopes, próximo à Rua Domingos Lopes, no lado próximo a Campinho. 23 pessoas se feriram e foram encaminhadas para o Hospital Salgado Filho, no Méier, e no Carlos Chagas, em Marechal Hermes.

O acidente acionou os quartéis do Corpo de Bombeiros de Campinho, Méier e Realengo. O motorista e o cobrador do ônibus estão entre os feridos.


Também na manhã de hoje, um trem da Supervia que fazia o ramal Japeri, em direção a Central do Brasil, descarrilhou na altura do bairro de Deodoro, também da região de Madureira. Sete pessoas saíram feridas e algumas foram também encaminhadas para o Hospital Carlos Chagas, enquanto outras foram para o Hospital Albert Schweitzer, no Realengo.

O trem estava em péssimo estado de conservação, apesar de representantes da Supervia afirmarem o contrário. O acidente complicou o serviço ferroviário do ramal e um outro trem chegou a parar próximo ao local, com passageiros desembarcando impacientes.


Já em Niterói, o acidente aconteceu no último sábado. Um ônibus considerado um dos mais novos da frota da Transportes Peixoto, que servia a linha 15 Ilha da Conceição / Centro, colidiu com um automóvel na Rua Barão do Amazonas, próximo à Rodoviária de Niterói.

A colisão aconteceu no horário das 17 horas, final da tarde. As duas ocupantes do automóvel ficaram feridas.

sábado, 8 de março de 2014

ACIDENTE DE ÔNIBUS NO JARDIM BOTÂNICO, NO RJ, DEIXA NOVE FERIDOS

MAPA DO LOCAL ONDE OCORREU O ACIDENTE COM DOIS ÔNIBUS, RUA JARDIM BOTÂNICO ESQUINA COM RUA GENERAL GARZON.

Dois ônibus colidiram esta manhã na Rua Jardim Botânico, no sentido Humaitá e na esquina com a Rua Gen. Garzon, na proximidade da Gávea, deixou nove pessoas feridas. Não há informação sobre o estado de saúde das vítimas, que foram levadas ao Hospital Miguel Couto, na Gávea.

O acidente provavelmente envolveu duas empresas municipais, ou pelo menos uma delas, embora a imprensa não tenha dado crédito na informação. Sabe-se no entanto que no local do acidente passam as empresas Real, São Silvestre, Transurb, Vila Isabel e Translitorânea.

Uma das pistas da Rua Jardim Botânico foi interditada e o tráfego sofreu retenção no local.

quarta-feira, 5 de março de 2014

COMISSÃO DA VERDADE QUER TROCAR NOME DA PONTE RIO-NITERÓI


O presidente da Comissão da Verdade, Wadih Damous, quer trocar o nome oficial da Ponte Rio-Niterói, que liga os dois municípios fluminenses desde os últimos tempos em que Rio de Janeiro era capital da Guanabara e Niterói, do Estado do Rio de Janeiro. Damous propõe que a ponte passe a se chamar Ponte Deputado Rubens Paiva.

A ponte foi inaugurada em 04 de março de 1974, tendo completado 40 anos ontem com um fluxo de carros muito maior do que o que se esperava na época. Construída a partir de 1967, depois de uma série de estudos e propostas de ligação entre as duas cidades desde o final dos anos 50, ela recebeu o nome de Presidente Costa e Silva em homenagem ao antigo ditador que implantou o AI-5.

Foi o general Artur da Costa e Silva que governou o Brasil quando a Ponte Rio-Niterói começou a ser construída, num difícil processo de construção que causou várias mortes de operários em diversos acidentes de trabalho.

Costa e Silva também implantou o Ato Institucional Número Cinco (AI-5), que previa rigor na censura e repressão por parte da ditadura militar, e meses depois sofreu uma trombose que o matou depois de deixar o mandato para uma junta militar que governou o país até a posse de Emílio Garrastazu Médici, presidente em cujo governo foram encerradas as obras de construção da ponte.

Rubens Paiva, por sua vez, foi um antigo deputado do PTB de São Paulo. Pai do escritor, jornalista e autor teatral Marcelo Rubens Paiva, o deputado era ligado à tendência esquerdista comandada por Leonel Brizola e João Goulart, e por isso foi sequestrado em 1971 quando se preparava para sair com sua família (inclusive o filho Marcelo) para um passeio.

Paiva teria sido aparentemente detido pela polícia, que procurou se omitir à família ao se recusar a lhe dar informações. Enquanto isso, Paiva foi misteriosamente assassinado, crime que só agora foi revelado, inclusive com a identificação de seus responsáveis.

A mudança de nome se seguirá à alteração do nome de um colégio no Stiep, em Salvador (Bahia), que trocou o nome de Emílio Garrastazu Médici para o do deputado comunista Carlos Marighella, mudança que será colocada em prática em breve.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

ACIDENTE COM ÔNIBUS E MICRO-ÔNIBUS FERE 25 EM SÃO PAULO


Um ônibus e um micro-ônibus se envolveram em um acidente na Av. Jacu-Pêssego, altura da Rua Jaime Ribeiro Wright, em Itaquera, no sentido da rodovia Ayrton Senna, na Zona Leste de São Paulo.

O acidente deixou 25 feridos, sem gravidade. No entanto, o trânsito se complicou na região, com três faixas da Av. Jacu-Pêssego fechadas para o trânsito, também no sentido Ayrton Senna. Até o meio-dia, o trânsito estava congestionado na região.

PROTESTO PACÍFICO INTERROMPEU TRÃNSITO NA AV. DAS AMÉRICAS, NO RJ


Um protesto contra irregularidades no sistema BRT fechou, esta manhã, o trânsito na Av. das Américas, próximo à Estação Mato Alto, em Guaratiba. Foram cinco horas de manifestações comandadas por moradores da região.

O trânsito ficou complicado na avenida, interrompendo os dois sentidos da via exclusiva dos BRTs. Houve reflexos no trânsito das estradas da Capoeira Grande e do Magarça, também em Guaratiba, e nos bairros de Sepetiba, Pedra de Guaratiba e Santa Cruz.

O protesto não causou danos materiais e encerrou no final da manhã. Mesmo assim, o trânsito já estava bastante congestionado e, até o começo desta tarde, havia retenção no tráfego na área.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

PR: CURITIBA AMANHECE SEM ÔNIBUS NAS RUAS NO 1º DIA DE GREVE DOS RODOVIÁRIOS


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O sistema de ônibus de Curitiba, nos padrões impostos por Jaime Lerner no auge da ditadura militar, há 40 anos, caduca mesmo quando implantado tardiamente em outras cidades, como Rio de Janeiro e Teresina.

E, sob quase todos os aspectos - sobretudo pintura padronizada, adoção aleatória de corredores expressos sem observar as estruturas urbanas de cada cidade e a sobrecarga de horário dos rodoviários - , esse padrão de transporte coletivo e mobilidade urbana não oferece mais respostas para a população, mas as autoridades insistem em querer resolver os problemas sem acabar com os mesmos.

PR: Curitiba amanhece sem ônibus nas ruas no 1º dia de greve dos rodoviários

Do Portal Terra

Os curitibanos estão enfrentando na manhã desta quarta-feira a paralisação nos serviços de transporte coletivo, após a decisão de motoristas e cobradores de entrarem em greve a partir da meia-noite. Não há ônibus circulando pela cidade, o que afeta diretamente a população.

Às 7h, com o início do horário de pico, as estações-tubo e os pontos de ônibus já estavam vazios depois que os usuários dos ônibus receberam a informação da greve. O trânsito também está mais congestionado do que normalmente acontece. A opção de muitas pessoas foi utilizar a bicicleta. Os ciclistas estão circulando pelas canaletas onde normalmente existe grande movimento dos ônibus expressos.

As garagens das empresas de ônibus estão fechadas. A falta de circulação de ônibus vai contra a decisão da Justiça do Trabalho, que determinou ontem que 70% dos ônibus circulem nos horários de pico e 40% da frota em outros horários.

Na assembleia de ontem à noite, quando foi definida a greve, a categoria disse que ainda não havia sido informada da decisão e que paralisaria o serviço totalmente. Segundo o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), a adesão à greve é de 100%.

A Urbanização de Curitiba (Urbs), que gerência o transporte coletivo na capital paranaense, está cadastrando carros particulares para iniciar o serviço de lotação, diante da greve de motoristas e cobradores. Esse tipo de transporte deverá ser feito apenas por veículos cadastrados pela prefeitura e a tarifa não pode ser superior a R$ 6. A Urbs informou que a decisão judicial que garante parte das frotas na rua foi entregue ao Sindimoc ainda ontem e confirma 100% de adesão à greve. A paralisação afeta 2,3 milhões de passageiros, que utilizam diariamente a Rede Integrada de Transporte, que atende Curitiba e 13 municípios da Região Metropolitana.

PROTESTO COMPLICOU TRÂNSITO DA AV. FRANCISCO BICALHO, NO RJ, ESTA MANHÃ


Um protesto de vários manifestantes sem-teto, que havia invadido um edifício abandonado no entorno da Zona Portuária, no Rio de Janeiro, havia fechado parte da Av. Francisco Bicalho, próxima à Rodoviária Novo Rio, com barricadas, o que complicou o trânsito esta manhã.

A manifestação foi pacífica, e seu objetivo foi pedir moradias para os sem-teto que se alojaram no local. Mas o trânsito se complicou de tal maneira que as autoridades chegaram a definir a situação do tráfego como "gravíssima".

Reflexos do engarrafamento eram observados em vias como a do Túnel Santa Bárbara, Túnel Rebouças ou mesmo na Estrada Grajaú-Jacarepaguá. Os veículos foram obrigados a optar por outras vias, como a Linha Vermelha ou as avenidas que vão para São Cristóvão e Mangueira.

A pista foi liberada há poucos minutos, mas o trânsito ainda era caótico no momento da liberação.

ACIDENTE ENTRE DOIS ÔNIBUS COMPLICA TRÂNSITO NA PENHA, NO RJ


Um acidente aconteceu hoje de manhã no Rio de Janeiro, envolvendo dois ônibus, que se colidiram na pista central da Av. Brasil, altura da Penha, na Zona Norte da cidade. Os ônibus eram da Transportes América e da Viação Vila Real, ambos exibindo a pintura do consórcio Internorte, e eram ônibus considerados semi-novos.


O acidente não deixou feridos, mas obrigou os passageiros de ônibus a saltarem dos veículos, que já estavam bastante lotados. Eles tiveram que esperar no meio da pista, que costuma ter um grande fluxo de veículos neste horário. O trânsito teve retenção devido ao acidente.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

QUARTO DIA ÚTIL APÓS MUDANÇAS NO CENTRO É DE CAOS NO TRÂNSITO


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Mais um fato da tragicomédia do transporte coletivo e da mobilidade urbana no Rio de Janeiro. Não bastassem os engarrafamentos de sempre, os semáforos pifaram, deixando o tráfego ainda mais confuso. E há quem diga que tudo isso é apenas coincidência e que o modelo adotado é maravilhoso. Vá entender.

Quarto dia útil após mudanças no Centro é de caos no trânsito

Por Tiago Federico - Jornal O Dia

Rio - O trânsito esteve caótico nos principais acessos ao Centro do Rio na manhã desta quinta-feira. Na Ponte Rio-Niterói, o motorista perdeu pelo menos 50 minutos, com trânsito lento em toda a extensão. Não bastasse os transtornos enfrentados no trânsito após as mudanças no Centro do Rio, uma falha na comunicação dos semáforos da cidade complicou ainda mais a vida dos motoristas na região.

Os motoristas encontraram trânsito lento na chegada ao Centro pela Avenida Brasil, na altura do Into, e no Viaduto do Gasômetro, logo na descida para a Avenida Francisco Bicalho. O panorama era o mesmo para quem seguia pela Avenida Francisco Bicalho, no sentido Cidade Nova. Trânsito lento também na Via Binário, Avenida Venezuela e Rua Camerino, que apresentava retenção próximo da Avenida Marechal Floriano.

Ainda assim, este trajeto era melhor que o Trevo das Forças Armadas e a Avenida Presidente Vargas, que tinha lentidão no sentido Candelária a partir da Cidade Nova. O trânsito também era intenso na Avenida Passos, Praça Tiradentes e Avenida República do Paraguai.

O trânsito também estava lento na Rua Benedito Hipólito e ao longo do Elevado 31 de Março, em direção à Zona Sul. Muitos motoristas escolheram esta rota para fugir do trânsito do Centro, mas acabaram enfrentando retenções na chegada à Rua Pinheiro Machado, em Laranjeiras, no sentido Botafogo. A melhor opção para a Zona Sul foi o Túnel Rebouças ou Aterro do Flamengo - mesmo com carreata de taxistas - , via Região Portuária e Avenida Passos e Lapa.

Falhas nos sinais piora ainda mais o tráfego 

De acordo com o Centro de Operações Rio, foram identificadas falhas nas centrais semafóricas de alguns pontos da Zona Sul, Centro e Zona Norte. Tiveram problemas também os semáforos da Rua Conde de Bonfim, no cruzamento com a Rua Uruguai, e em diversos trechos da Avenida Dom Hélder Câmara, na Zona Norte, e na Avenida Francisco Bicalho. Na Zona Sul, os semáforos com problemas foram na Avenida Borges de Medeiros, na altura da Rua J.J Seabra, na Lagoa, e na Rua das Laranjeiras.

Equipes da CET-Rio e da Guarda Municipal foram acionadas para operarem nos locais mais afetados. Também foram enviadas equipes de manutenção para reparar o defeito. Mais cedo, o sinais da Avenida Presidente Vargas, na altura da Central do Brasil, apresentou problemas, mas já voltaram a funcionar. O sistema de 11 centrais foi totalmente restabelecido no fim da manhã.

Trânsito caótico do Centro do Rio afeta Região Metropolitana

As dificuldades não foram apenas para atravessar a Ponte, em Niterói. Quem vinha de São Gonçalo, por exemplo, também sofreu. Segundo a Autopista Fluminense, foram cinco quilômetros de congestionamento na BR-101, do km 316 ao km 321, entre as regiões de São Gonçalo e da Avenida do Contorno.

Saindo de Duque de Caxias, a situação era parecida. A Rodovia Washington Luiz, segundo a Concer, esteve congestionada entre o km 117 e o km 125, no sentido Rio, devido à retenção na Linha Vermelha e Avenida Brasil.

Vindo pela Dutra, motorista que saía de Nova Iguaçu, Belford Roxo, São João de Meriti, Queimados, entre outros municípios da Baixada Fluminense, encontrou retenção na chegada ao Rio, no trecho entre a Pavuna e Irajá, no acesso à Avenida Brasil.

As péssimas condições de tráfego da Linha Vermelha e da Avenida Brasil foram reflexos da chegada ao Centro, que apresentava retenção. Quem vinha pela Avenida Brasil, por exemplo, ficava preso no trânsito, saindo da Zona Oeste, a partir de Coelho Neto. Às 10h, a lentidão era a partir da altura da BR-040. Na Linha Vermelha, as dificuldades, no sentido Centro, começaram na altura da Infraero e seguiam até o Caju.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

ACIDENTES E IRREGULARIDADES DE HOJE COM ÔNIBUS DO RIO DE JANEIRO


Dois acidentes e uma amostra de irregularidade envolvem ônibus municipais do Rio de Janeiro em notícias registradas desde a última terça-feira.

Na tarde de ontem, um acidente envolvendo dois ônibus aconteceu na Av. Brasil, na altura de Bonsucesso. Um ônibus da Transportes Paranapuan e outro da Auto Viação Bangu se colidiram e o motorista deste último, Francisco Evaldo, de 41 anos, foi conversar com o motorista do outro ônibus, Jailton Santos Silva, de 31 anos, quando este deu a arrancada.

Francisco foi arrastado por cerca de 200 metros e, gravemente ferido, foi socorrido para o Hospital Sousa Aguiar, no Centro do Rio, mas não resistiu aos ferimentos e morreu antes de receber os primeiros socorros. O motorista que causou a morte do colega fugiu.

Já na Linha Amarela, um internauta registrou hoje a imagem de um ônibus da linha 693 Méier / Barra da Tijuca, que estava superlotado, inclusive com passageiros pendurados correndo risco de acidentes, e com a porta aberta. Era um micrão do consórcio Transcarioca, operado pela empresa Transurb, antes considerada uma das mais exemplares do Rio de Janeiro.

A Rio Ônibus, representante dos consórcios da cidade, admitiu que o ônibus tinha a porta danificada, afirmando que normalmente ônibus assim possuem dispositivo para não circularem com as portas abertas.


Outro acidente aconteceu no amanhecer de hoje na Rua Cândido Benício, na Praça Seca, sentido Largo do Tanque. Um ônibus da Litoral Rio perdeu o controle da direção, subiu a calçada e invadiu a mureta de um prédio.

Com o acidente, parte de uma loja também foi atingida e seis pessoas saíram feridas, entre elas duas menores, mas todas sem gravidade. Depois do ocorrido, o trânsito na rua, que liga a região de Madureira Jacarepaguá, teve o tráfego congestionado, por conta da interdição de uma das faixas da via, complicando o trânsito durante várias horas.

ÔNIBUS PROVOCA ACIDENTE EM NITERÓI


Um ônibus da Santo Antônio Transportes (Transoceânico) provocou um acidente na altura da Rua Miguel de Frias, entre o cruzamento da Rua Fagundes Varela com a Rua Mem de Sá, em Icaraí, Zona Sul de Niterói. O fato ocorreu às 10:50 h da manhã de hoje.

O ônibus, em alta velocidade, deu uma "cortada" e bateu numa caminhonete, causando danos materiais. Depois o ônibus teve que estacionar alguns metros adiante, mas antes da esquina com a Rua Gavião Peixoto, e o motorista saiu do ônibus para conferir o estrago.

Ninguém saiu ferido, mas todos os passageiros tiveram que desembarcar do ônibus para esperar outro que veio depois. O ônibus acidentado operava na linha 36 Sapê / Centro e já apresentava lataria amassada e estrutura sem manutenção antes do acidente.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

RIO DE JANEIRO ENFRENTA CONFUSÃO NO TRÂNSITO DO CENTRO

PESSOAS SÃO OBRIGADAS A ATRAVESSAR ENTRE DOIS ÔNIBUS, SOFRENDO SÉRIO RISCO DE ACIDENTE.

A segunda-feira de trânsito modificado no Centro do Rio de Janeiro, nos preparativos para a derrubada total do Elevado da Perimetral - que chegou a ser anunciada para ontem, mas foi adiada, mais uma vez, para o dia 24 - foi de muito caos e confusão.

Apesar das recomendações para as pessoas não usarem automóveis, o trânsito ficou parado em muitos trechos. Parte da Av. Rio Branco ficou vetada para automóveis particulares, se limitando a ônibus e táxis. A mesma avenida passou a funcionar em mão dupla, para compensar o fechamento da Av. Alfred Agache.

Em muitos trechos, o trânsito foi simplesmente travado. A mudança de muitas linhas de ônibus para a Candelária e a diminuição de linhas que circulam no entorno da Lapa - sobretudo na Av. República do Paraguai, uma das usadas para escoamento do trânsito que antes passava pela Perimetral e Alfred Agache - não resolveu o trânsito, que ficou complicado em várias horas.

Já as barcas, trens, metrôs e ônibus apresentaram aumento de demanda. Nas barcas, por exemplo, o reforço de embarcações antigas, de cerca de 50 ou 55 anos de fabricação, não resolveu a superlotação do transporte, e o problema se estendia também nas longas filas para comprar o bilhete de passagem.

O Rio de Janeiro enfrenta sua pior fase de mobilidade urbana, vide o modelo autoritário de Eduardo Paes. É evidente que várias medidas são necessárias, sobretudo a controversa derrubada do Viaduto da Perimetral, mas da forma como ela é feita causa muita confusão e transtornos. Seu secretário Carlos Roberto Osório só sabe falar bonito, os atos deixam muito a desejar.

Imagina-se o que será daqui a alguns meses, quando os turistas passarão a enfrentar as mesmas confusões, a ponto delas refletirem no noticiário internacional.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

ACIDENTES E ÔNIBUS QUEIMADOS NO RJ, SP E DF


A crise do modelo tecnocrático de sistema de ônibus, com poder concentrado no Estado que impõe sua imagem até na pintura padronizada para as empresas, acumula cada vez mais incidentes dramáticos.

Em São Paulo, dois ônibus bateram na proximidade da Av. Bandeirantes, na Marginal do Rio Pinheiros, sentido Rodovia Castelo Branco. Quarenta e cinco feridos foram atendidos no acostamento. O trânsito teve lentidão devido a duas pistas bloqueadas da Marginal.

Em Brasília, um ônibus (foto acima) enguiçou, na altura do Setor Industrial do Gama, o que deixou os passageiros indignados. No entanto, a intenção de incendiar o veículo partiu de um homem de 19 anos, exaltado com a revolta das pessoas. Como o de São Paulo, o incidente ocorreu na manhã de hoje.

Já no Rio de Janeiro, um ônibus da Expresso Pégaso (consórcio Santa Cruz) atropelou um ciclista na Av. Francisco Bicalho, no sentido Centro. Uma faixa da avenida chegou a ser interditada. O acidente ocorreu na tarde de ontem. Não houve informações divulgadas sobre a saúde da vítima.

E ainda querem manter esse modelo de sistema de ônibus. A sua decadência está visível e não oferece mais respostas para a mobilidade urbana. Para que manter esse modelo de secretários de Transporte prepotentes, ônibus padronizados, sobrecarga profissional e veículos com pressa de cumprir horários em cidades congestionadas?

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

PROTESTO DE MORADORES FECHA QUEIMA TRÊS ÔNIBUS NO RJ


Em reação a um tiroteio entre traficantes e policiais da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) no Morro São João, na altura do Engenho Novo (região do Méier, Zona Norte do Rio de Janeiro), que causou a morte de um homem, moradores realizaram um violento protesto no local.

Tanto o tiroteio quanto o protesto aconteceram na noite de ontem, e três ônibus foram queimados por manifestantes. Quatro foram presos pela polícia. Devido ao protesto, a Rua Barão do Bom Retiro ficou fechada durante um bom tempo.

Policiais de Camarista Méier e Lins de Vasconcelos, próximos ao morro, também foram ao local reforçar o policiamento. Nas mídias sociais, mensagens no Twitter e no Facebook aconselharam as pessoas a evitarem passar pelo local.

ÔNIBUS NOVOS DE EMPRESAS "BOAS" JÁ ESTÃO DANIFICADOS NO RJ

ÔNIBUS DA MATIAS E DA REAL, NO RIO DE JANEIRO, JÁ CIRCULAM COM ESTRUTURA DANIFICADA, COM PELAS FROUXAS E LATARIA AMASSADA. FOTOS DE KAWHANDER SANTANA.

Está muito perigoso pegar ônibus no Rio de Janeiro. Os ônibus municipais já apresentam sinal de velho, não bastasse o design da pintura padronizada - medida por si já arbitrária, antipopular (e impopular) e nociva - dar aos ônibus um tom de velho e apodrecido.

Com as inúmeras notícias sobre acidentes de ônibus, nota-se que o sistema piorou completamente, pelo poder concentrado do Estado que é o verdadeiro motivo da pintura padronizada, porque isso indica uma intervenção desnecessária que apenas piorou o que estava apenas relativamente problemático.

Se antes empresas como Pégaso, Ocidental (atual Rio Rotas), Amigos Unidos (atual Translitorânea) e Oriental eram deficitárias, hoje se observa até em empresas antes exemplares como Rodoviária Âncora Matias e Real Auto Ônibus, cujos desempenhos caíram bastante nos últimos quatro anos.

Para quem duvida disso, é só ir às ruas. Na Praça da Bandeira e em Vila Isabel, os ônibus de linhas como 232 Lins / Praça 15 passaram a correr demais e, quando correm, balançam como se fossem caminhões de entulho, ameaçando a segurança dos passageiros.

Recentemente, notou-se também que um dos carros mais novos da Matias, de número B25615, modelo CAIO Apache VIP 3, apresentou na parte lateral direita, junto à porta de trás, lataria bastante amassada, algo que só era admissível em carros da Oriental ou da recém-falecida Transmil.

O fato foi observado na Av. Rio Branco. Na mesma avenida, viu-se carros do mesmo modelo da CAIO, da Real Auto Ônibus, circularem sacolejantes, com um ronco típico de ônibus velhos, embora, em tese, não pareça que esses ônibus sejam reencarroçamentos de ônibus antigos.

Voltando à Matias, a renovação de carros da Marcopolo Torino 2007 - em que lotes mais recentes substituem os mais antigos - também não significou melhoria, uma vez que os carros novos também rodam como se fossem velhos, mesmo com uns poucos meses de fabricação.

A Matias e a Real são apenas dois exemplos típicos. Outras empresas antes consideradas boas, como Transurb e São Silvestre, apresentam ônibus sucateados. A Viação Verdun é quase uma nova Oriental, com seus carros com lataria amassada, sacolejantes e roncando feito ônibus velhos.

E tudo isso porque as empresas de ônibus não podem mais mostrar suas identidades visuais, que é o que deveria prevalecer para a relação entre passageiro e empresa. Sem a possibilidade de mostrar sua identidade visual, mas a "imagem da Prefeitura", as empresas não podem atuar de forma competitiva nem apresentar diferencial, enquanto os passageiros ficam cada vez mais confusos com tanta empresa com o mesmo visual.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

ACIDENTE COM BIARTICULADOS MATA DOIS E FERE OITO EM SP


A decadência do padrão tecnocrático de transporte coletivo está a olhos vistos, embora as autoridades que os defendam não abram mão desse padrão decadente e até tentem resolver o problema sem ter que acabar realmente com ele.

Enquanto isso, os ônibus em cidades como Rio de Janeiro, São Paulo e até mesmo Curitiba estão cada vez mais sucateados, circulando com latarias amassadas, estrutura solta - que faz os ônibus rodarem como se estivessem sacolejando feito caminhões de entulho - e acidentes diversos acontecem.

Na manhã de hoje, foi a vez de São Paulo mostrar um trágico acidente, quando dois ônibus articulados colidiram depois que um deles esmagou um táxi, matando o motorista e um passageiro. Bombeiros tentam ver se uma terceira pessoa estaria presa nas ferragens do automóvel.

O acidente ocorreu na Av. Vereador José Diniz, na Zona Sul de São Paulo, na altura da Rua Joaquim Nabuco. Oito pessoas saíram feridas sem gravidade. O trânsito ficou congestionado e a faixa esquerda da pista, no sentido Centro, chegou a ficar totalmente bloqueada. Os passageiros de outros ônibus tiveram que descer dos coletivos e andar a pé pelo trecho bloqueado.

É esse o modelo de transporte coletivo que as autoridades querem que prevaleça. E é esse o sistema de ônibus que receberá os turistas que chegarão aqui daqui a cerca de três meses. Será preciso que os turistas também morram para que se admita a decadência desse modelo de sistema de ônibus originário da ditadura militar? Quantos mortos serão precisos para que se admita a crise desse sistema?

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

COLISÃO ENTRE ÔNIBUS NA BARRA DA TIJUCA DEIXA 14 FERIDOS


Uma colisão entre dois ônibus, provavelmente municipais - as fontes não creditaram as empresas - deixou o trânsito congestionado no entorno do Terminal Alvorada, na altura do Trevo das Palmeiras, que liga a Av. das Américas à Av. Ayrton Senna, na manhã de ontem.

O acidente ocorreu no sentido São Conrado e deixou 14 feridos. As vítimas foram levadas para o hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, e no Miguel Couto, na Gávea. O trânsito causou reflexos na Linha Amarela e provocou atrasos também nos ônibus do serviço Barra Expresso. O congestionamento só terminou por volta de 10 da manhã.

RIO: ÔNIBUS É QUEIMADO E PROTESTO INTERDITA PISTAS EM JACAREPAGUÁ


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A crise social que atinge o Rio de Janeiro há tempos, aliada a decadência de todo um modelo de mobilidade urbana - que envolve não só transporte coletivo como outras medidas de cunho social - faz com que manifestações como estas continuem ocorrendo, como um protesto que teria sido feito por ordem do crime organizado.

Rio: ônibus é queimado e protesto interdita pistas em Jacarepaguá

Do Portal Terra

Manifestantes queimaram um ônibus e um banheiro químico na manhã desta terça-feira no Rio de Janeiro, mobilizando o Batalhão de Choque da Polícia Militar e complicando o trânsito na zona oeste da cidade. O protesto fechou duas pistas da Rua Cândido Benício, em Jacarepaguá, de acordo com o Centro de Operações Rio. Um grupo pequeno de manifestantes interditou a via e é observado pela polícia, que tenta negociar uma retirada pacífica desde antes das 7h.

O trânsito é intenso na região, tanto na Rua Cândido Benício quanto em vias próximas. A PM ainda desconhece os motivos da manifestação, mas acredita que seja uma forma de protesto diante do policiamento na região - que teria grande presença de traficantes.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

ÔNIBUS ATROPELA E MATA HOMEM NO RJ


Outro acidente ocorreu no Rio de Janeiro, na Av. das Américas, no Recreio dos Bandeirantes, na altura da estação Pontal do corredor do BRT.

Um ônibus BRT da Auto Viação Jabour ia em alta velocidade por volta das 7h da manhã quado atropelou um homem, que morreu no local. O trânsito ficou lento no local e, meia hora depois do acidente, os BRTs estavam circulando utilizando um desvio feito no local.

O trânsito na avenida ficou lento e apenas uma das faixas havia sido liberada para carros na ocasião. Imagens da CET-Rio já estão sendo analisadas para verificar o que motivou o acidente.

ÔNIBUS E CARRO COLIDEM EM SULACAP, ZONA OESTE DO RJ


Um acidente ocorreu na madrugada de hoje no bairro do Sulacap, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Um ônibus da Transportes Barra (consórcio Santa Cruz) colidiu com um carro em frente a um centro acadêmico da Polícia Militar.

O trânsito teve retenção no local, na Avenida Marechal Fontenele, a principal do bairro. Uma pessoa saiu ferida sem gravidade e dispensou atendimento. O acidente ocorreu às 5h45, e o trânsito só foi liberado às 9h25.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

ACIDENTE ENTRE ÔNIBUS E TÁXI COMPLICA TRÂNSITO NO RJ


Um ônibus da Viação Pavunense (consórcio Internorte) e um táxi bateram hoje de manhã, no trecho da Avenida Beira-Mar próximo à Av. Calógeras, no bairro do Castelo, no Rio de Janeiro, próximo ao entorno do Trevo dos Estudantes.

Uma pessoa teve ferimentos leves, mas não houve necessidade da vítima ser socorrida pelos soldados do Corpo de Bombeiros que se dirigiram ao local. Com a força da batida, o táxi foi arremessado para junto à calçada.

Não foram divulgadas informações sobre qual dos dois veículos causou o acidente. Aparentemente, houve tentativa de ultrapassagem. O trânsito teve retenção depois do acidente, e uma das faixas da Av. Beira-Mar chegou a ser interditada.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

ACIDENTES COM ÔNIBUS SOMAM MAIS DE 20 FERIDOS NO RJ


Dois acidentes de ônibus ocorreram hoje na Zona Oeste do Rio de Janeiro, deixando um significativo número de feridos, aparentemente sem gravidade.

Na Barra da Tijuca, um ônibus BRT da Transoeste, operado pela Expresso Pégaso, teve o pneu estourado próximo à Estação Santa Mônica, na Av. das Américas, por volta de 7h20 da manhã. Com o estouro, o ônibus escorregou em uma poça de óleo, causou uma batida que provocou ferimento em 12 pessoas, depois levadas para o Hospital Lourenço Jorge, próximo ao local.

Em Jacarepaguá, foi a vez de dois ônibus causarem uma batida, por volta de oito da manhã, num trecho da Estrada dos Bandeirantes, em Jacarepaguá. As empresas não foram creditadas, mas passam no local empresas como Transportes Futuro, Transportes Santa Maria, Viação Redentor e Litoral Rio Transportes, todas do consórcio Transcarioca.

Neste acidente, 14 pessoas saíram feridas, todas sem gravidade. Uma faixa da Estrada dos Bandeirantes havia sido interditada, mas, por volta de 8h50, foi liberado, embora o trânsito tenha sido bastante lento.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

PASSARELA CAI SOBRE A LINHA AMARELA E DEIXA QUATRO MORTOS NO RIO DE JANEIRO


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Junta-se um modelo ao mesmo tempo autoritário e imprudente de mobilidade urbana, adotado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, e a péssima logística que envolve a economia do Grande Rio. Um caminhão gigante, que só deveria descarregar objetos em algum galpão de uma rodovia, se dirige por avenidas da cidade mesmo tendo tamanho maior do que o determinado para certas vias. Resultado: um caminhão com altura maior que a autorizada atingiu uma passarela e, como o acidente, causou a morte de quatro pessoas.

Com tantas tragédias ocorrendo por causa do descaso da Prefeitura, a impressão que se tem é que Eduardo Paes deveria ser condenado por homicídio culposo de centenas de pessoas mortas em acidentes que vão de prédios antigos explodindo até passarelas caindo, violência em UPP, atropelamento de BRTs, acidentes de ônibus, enchentes etc.

Quanto ao acidente, os destroços atingiram também um carro e um ônibus que passavam pelo local.

Passarela cai sobre a Linha Amarela e deixa quatro mortos no Rio de Janeiro

Do Portal Terra

Um caminhão derrubou a estrutura de uma passarela por volta das 9h15 desta terça-feira na Linha Amarela, uma das principais vias expressas do Rio de Janeiro. Pelo menos dois automóveis, um em cada sentido da via, foram esmagados pela queda. Quatro pessoas morreram, e pelo menos quatro ficaram feridas, de acordo com a concessionária Lamsa. A Linha Amarela está completamente interditada nos dois sentidos devido ao acidente.

A carreta com altura maior do que a permitida teria tentado passar por baixo da passarela, que tem cerca de 4,5 metros de altura, e assim derrubado a estrutura de metal. O veículo estaria com a caçamba erguida, de acordo com informações preliminares. O acidente aconteceu entre os acessos 4 e 5 da Linha Amarela, em Pilares, e causa grande engarrafamento nos dois sentidos da via.

O chefe executivo do Centro de Operações Rio, Pedro Junqueira, pediu que motoristas evitem a Linha Amarela por conta da operação de resgate das vítimas, em entrevista à rádio CBN. A concessionária Lamsa, que administra a rodovia, recomenda que motoristas busquem utilizar o Alto da Boa Vista ou a Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá.

O trânsito de caminhões é proibida na via antes das 10h. O veículo que derrubou a passarela seria da empresa Arco da Aliança, empresa que presta serviço para prefeitura. O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), foi ao local da tragédia e confirmou que o veículo trafegava em horário irregular. Os feridos em função da queda da estrutura foram levados para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, o Hospital Federal de Bonsucesso e o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier.

ATENÇÃO: Linha Amarela fechada nos dois sentidos. Opções são a Av. Brasil, Est. Grajaú-JPA, Alto da Boa Vista, Lagoa-Barra e Linha Vermelha. — Centro de Operações (@OperacoesRio) 28 janeiro 2014

O Centro de Operações Rio acionou um plano de contingência por conta do acidente, e operadores orientam os motoristas nas ruas próximas à Linha Amarela. Agentes da Guarda Municipal foram mobilizados para realizar a escolta de veículos envolvidos na operação de socorro às vítimas. Os hospitais municipais Souza Aguiar, Miguel Couto e Lourenço Jorge receberam reforço de efetivo para atender os feridos.

Pelo menos uma pessoa caiu no córrego que divide os dois sentido da via e foi resgatada por populares. O Corpo de Bombeiros retirou pessoas dos carros atingidos em uma operação de resgate que contou com a ajuda de helicópteros e pessoas que passaram pelo local. O trânsito está completamente interrompido na região; as saídas estão liberadas, mas há grande congestionamento e todos os acessos estão fechados. A Defesa Civil realiza vistorias no ponto do acidente.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

CONGESTIONAMENTO NO TRÂNSITO DO RJ APÓS FECHAMENTO DO VIADUTO DA PERIMETRAL


Em diversas avenidas do Rio de Janeiro, o trânsito ficou caótico na maior parte do dia de hoje, o primeiro dia útil após o fechamento definitivo do Viaduto da Perimetral.

Mesmo com a redistribuição do trânsito em várias avenidas da cidade - a Av. República do Paraguai, por exemplo, passou a ter sentido único, enquanto a Av. Rio Branco, no trecho entre a Av. Pres. Vargas e Praça Mauá, passou a ter mão dupla, o mesmo com um trecho da Av. Nilo Peçanha, no Castelo - , o trânsito ficou parado em muitos trechos.

O congestionamento se refletiu até mesmo na Zona Sul e na Zona Norte, desafiando a paciência de muitos motoristas. Mesmo a redistribuição dos itinerários de linhas, o fim de vários pontos de estacionamentos e a recomendação das autoridades para que se utilize menos automóveis, não foram suficientes para evitar o trânsito caótico, que demorava horas parado nas ruas e avenidas da cidade.

O fechamento do Viaduto da Perimetral é uma preparação para a implosão de todo o trecho restante, confirmada para o dia 17 de fevereiro. O mergulhão da Praça 15, também vetado para o trânsito, será aproveitado como extensão do mergulhão da nova Av. Rodrigues Alves.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

TREM DA SUPERVIA DESCARRILA EM SÃO CRISTÓVÃO, NO RJ


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O problemático sistema ferroviário do Rio de Janeiro teve mais um incidente, complicando ainda mais o sistema de transporte coletivo que, na cidade, já é bastante problemático e segue visões e paradigmas ultrapassados. O poder concentrado do Estado, que exerce mais cobranças do que responsabilidades próprias, não consegue dar todas as respostas para o público passageiro, que sofre problemas que parecem longe de terminarem.

Trem da SuperVia descarrila em São Cristóvão

Por Tiago Frederico - Jornal O Dia

Poste caiu e rede aérea foi afetada. Circulação segue com atrasos em todos os ramais

Rio - Um trem que seguia da Central do Brasil para Saracuruna descarrilou quando chegava à estação São Cristóvão, às 5h15 da manhã desta quarta-feira. Um poste caiu e derrubou a estrutura da rede aérea no local, o que compromete o trecho entre a Mangueira e Central do Brasil. Todos os ramais operam com atrasos. Por conta do problema, nenhum trem segue até a Central.

Trens semidiretos circulam até a estação Engenho de Dentro, paradores vão até São Francisco Xavier e os trens dos ramais Saracuruna e Belford Roxo circulam até Triagem. Não houve registro de feridos.

Técnicos da SuperVia estão no local para fazer os devidos reparos e normalizar a operação. Segundo a concessionária, passageiros são avisados das condições de circulação pelo sistema de áudio dos trens e das estações.

Segundo o Centro de Operações Rio, a Secretaria Municipal de Transportes determinou aos consórcios que funcionem com 100% das frotas de ônibus no sentido Centro, devido ao problema com os trens da Supervia.  Quem desembarca na estação São Francisco Xavier pode optar pelas linhas 460, 461, 462 e 463 para acessar o Centro e a Zona Sul.

O MetrôRio informou, em sua conta no Twitter, que reforçou a bilheteria da Linha 2 e disponibilizou trens extras.

Às 7h45, a SuperVia disse que estão sendo distribuídos vale-viagem, declaração de atraso e devolução em espécie do valor da passagem aos passageiros.

Por operarem como estações terminais, no sentido Centro, Triagem e São Francisco Xavier recebem grande número de passageiros, o que causa causa superlotação e complica o trânsito naquela região. A SMTR disse, por meio do Centro de Operações Rio, que montou um esquema emergencial deslocando ônibus para receber esses passageiros.

Segundo a Agetransp, não há previsão do restabelecimento do tráfego no trecho prejudicado. Em nota, o órgão disse que enviou técnicos ao local para proceder perícia e acompanhar o atendimento aos usuários. A Agetransp afirmou, também, que deslocou uma equipe para o Centro de Controle Operacional da SuperVia para solicitar informações da Concessionária sobre o incidente.

Passageiros caminham nos trilhos

Ao chegar à estação São Francisco Xavier, alguns passageiros, ao invés de sair da estação e seguir para o Centro de ônibus, optam por caminhar pela linha férrea. A estação Olímpica do Engenho de Dentro tem superlotação, conforme registrou o seguidor de O DIA 24 Horas no Twitter, Pedrinho Kappaum (@kappaum).

A Estação Saracuruna ficou completamente lotada após descarrilamento no ramal. Seguidor Douglas Mendonça (@MendoncaDouglas) disse, às 7h40, que trem das 7h20 ainda não tinha chegado à estação.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

ÔNIBUS INVADE CASA EM SP E FERE MAIS DE DEZ PESSOAS


Na cidade dos muitos ônibus queimados e do desgaste do modelo "curitibano" de sistema de ônibus, São Paulo, um acidente ocorreu no último domingo, causando mais de dez feridos.

Um micro-ônibus bateu em uma casa na região de Aricanduva, bairro da Zona Leste da capital paulista - região que tem o consórcio com mais casos de corrupção entre os ônibus municipais - e deixou dez pessoas feridas. O acidente ocorreu na altura da Av. Monsenhor Antônio de Castro.

A maioria das pessoas era de passageiros do ônibus, mas o Corpo dos Bombeiros, até a divulgação da notícia ontem, não precisou o número exato de vítimas. A maioria saiu ferida sem gravidade. Elas foram encaminhadas para hospitais na Vila Alpina e Sapopemba.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

TRANS1000 PERDE LINHAS DE MESQUITA E NOVA IGUAÇU


A Turismo Trans1000 está, até segunda ordem, fora de circulação. O DETRO realizou uma segunda intervenção na empresa, que agora perdeu linhas destinadas a Mesquita, onde fica sua sede, e Nova Iguaçu.

Nos últimos meses, a crise da empresa revoltou de tal forma os passageiros que a demanda caiu drasticamente. Era frequente ver os ônibus da Transmil, no Terminal Rodoviário de Nova Iguaçu, parados com raras pessoas decidindo embarcar nos seus veículos velhos e sucateados.

De Nova Iguaçu, a Transmil perdeu, para a Viação Nossa Senhora da Penha - que, inverso à outra empresa, possui agilidade na renovação da frota e abastece suas linhas com muitos carros, diminuindo o tempo de espera - , as linhas 133 Nova Iguaçu / Central e 479 Nova Iguaçu / Parada de Lucas.

Pela primeira vez, a Nossa Senhora da Penha, tradicional empresa da Baixada Fluminense com linhas destinadas ao subúrbio do Rio de Janeiro, terá uma linha destinada ao Centro carioca, o que será uma surpresa para os passageiros de ônibus que passam pelo entorno da Central e Zona Portuária.

De Mesquita, a Transmil perdeu, para a Auto Viação Vera Cruz (RJ 112 - que já teve linhas para a Central, quando era ligada ao Grupo Flores), as linhas 005 Mesquita / Passeio, 478 Mesquita/ Central e 651 Mesquita / Pavuna, que terão carros novos dotados de ar condicionado.

Intervenção semelhante foi feita seis meses atrás pelo DETRO com as linhas da Transmil destinadas a Nilópolis. Tal como o ocorrido hoje, o motivo foi o não cumprimento das determinações do Termo de Compromisso assinado entre a empresa e o órgão.

O Termo inclui medidas como aumento de frota de ônibus, renovação com carros novos, saídos da fábrica e cumprimento de horários nas linhas. Nenhum desses termos foi cumprido. O DETRO, no entanto, deu um prazo de um ano, contado de cada intervenção, para a Transmil se adequar às exigências, caso contrário perderá definitivamente a concessão.

Diante da situação apresentada pela empresa em suas inúmeras irregularidades sem solução, além da perda de credibilidade do público passageiro, é difícil a Transmil voltar a circular nas linhas perdidas. Tudo indica que o fim definitivo da empresa esteja próximo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...