sexta-feira, 26 de agosto de 2011

MATIAS E REAL PIORAM SEUS SERVIÇOS APÓS PADRONIZAÇÃO




As empresas Rodoviária A. Matias e Real Auto Ônibus foram afetadas pelo poder concentrado da SMTR sobre o transporte coletivo carioca, que agora adota um padrão "moderno" herdado do regime militar a partir do arquiteto e político Jaime Lerner, que, filiado à ARENA, implantou o modelo em Curitiba em 1974.

A padronização visual é apenas um detalhe - muito incômodo, por sinal - de um projeto político controlado pela Secretaria Municipal de Transportes, onde o esquema de consórcios pressupõe uma empresa paraestatal bancada financeiramente pelas empresas particulares, reduzidas a "sócias" da "mega-empresa".

Pois a medida, de caráter meramente tecnocrático e político, já começa a causar sérios prejuízos. Quem vai para as ruas vê que o sistema piorou consideravelmente, enquanto passageiros são obrigados a fazer teste de lógica nos próprios pontos, para saber qual o ônibus certo para embarcar, já que diferentes empresas têm uma mesma pintura, mas, dependendo do consórcio, uma única empresa pode ter duas pinturas.

O impacto negativo na Avenida Presidente Vargas, previsto por este blogue, se confirmou. Na última terça-feira, nota-se a confusão em que três ônibus da Marcopolo Torino 2007 com a pintura do consórcio Internorte, mas de diferentes empresas - Viação Verdun, Viação Acari e Rodoviária A. Matias - , pode causar ao passageiro que, no lado oposto na mesma avenida, têm que redobrar sua mente para não pegar o ônibus errado.

Só para agravar as coisas, não existe mais diferença entre um City Rio que vai da Penha para Copacabana e um Matias que vai do Lins para a Praça 15.

Mas o poder concentrado de Alexandre Sansão, o secretário de Transportes da Prefeitura do Rio, confirmado não só por mim mas por vários busólogos que não se iludem em bajular o grupo político de Eduardo Paes e Sérgio Cabral Filho, já começa a causar sérios problemas.

A pressão de horário sobre os motoristas - obrigados a rodar em alta velocidade para evitar atrasos - , que já causou trágicos acidentes em Curitiba, mostra agora seu desastre no Rio, com vários ônibus batendo, entre eles um acidente que ocorreu no último dia 17, quando um ônibus da Viação Rubanil, linha 350 Passeio / Irajá, bateu, na Av. Rio de Janeiro, bateu com um outro da Viação Vila Real, linha 378 Marechal Hermes / Praça 15, danificando o retrovisor de um deles.

O acidente fez com que os passageiros das duas linhas tivessem que esperar no local por outros ônibus, já que os dois veículos tiveram que ficar parados para esperar reboque.

Mas mesmo empresas tradicionalmente conceituadas como Real e Matias já começam a sofrer queda de qualidade. Seus veículos já circulam com lataria em parte amassada e "sacolejam" enquanto rodam pelas ruas cariocas.

Eu mesmo pude conferir, no último dia 24, pegando dois carros da Matias, 25506 e 25549, ambos da Marcopolo Torino 2007, que, com três anos de fabricação, pareciam ter o dobro da idade. Circulando na linha 232 Lins / Praça 15, os dois ônibus faziam o típico barulho forte de vidros balançando e lataria sacolejando de ônibus mal conservados, como se fossem ônibus de bóias-frias semi-novos.

No sentido Lins, na altura da Rua Visconde de Santa Isabel, em Vila Isabel, o carro 25506 ainda teve que correr, pela pressão do tempo, ultrapassando um ônibus da Viação Nossa Senhora de Lourdes, mas, por sorte, a manobra não causou qualquer acidente.

Notei também, andando pela Av. Rio Branco, que vários ônibus da Real, também Marcopolo Torino 2007, já "sacolejavam" quando rodavam, coisa que não ocorria em ônibus com três ou quatro anos de fabricação pelas duas empresas, mesmo em suas piores hipóteses.

Enquanto Alexandre Sansão dava entrevista para o RJ TV sobre a inauguração do corredor exclusivo Leblon-Ipanema, um ônibus longo da Torino 2007 com as cores da Intersul - provavelmente Braso Lisboa - apareceu enguiçado apoiado por um reboque. Irônico, Sansão disse que o incidente serve para testar o trânsito no corredor.

7 comentários:

  1. Pois é, ontem (26/08), fui massacrado naquela comunidade que bajula essa atual administração da Prefeitura só porque dei a minha opinião sobre esse assunto. O dono não tem culpa nenhuma, mas, os membros babam o ovo literalmente.

    Um deles até admite a questão da politicagem que está havendo usando as empresas privadas nisso, mas, bajulou literalmente o Prefeito.

    Quarta-Feira, percorrendo Bangu e Madureira, vi que boa parte dos ônibus/midis/micros já estão encampados e isso me deu tristeza.

    Não entrarei em detalhes porque soaria reclamação, mas, retrato dessa farsa, flagrei briga de gratuidade onde o motorista não parou para um estudante da Rede Pública. O Prefeito acha que interferindo as coisas, acabaria briga com a gratuidade.

    Para encerrar, até comentei nesse blog: eles admitem esse poder concentrado gerando essa empresa paraestatal bancada pela iniciativa privada.

    ResponderExcluir
  2. Agora que eu vi no blog da Despadronização. O carro da sucessora da TAU tem a mesma capacidade de alguns modelos MB LPO-1113 dos anos 80 e os midis NÃO-PNE por terem 35 lugares sentados.

    Olha, não sei, não, se esses carros rodarem sem cobrador (a), não ficarei surpreso, não por causa da brecha recente de rodar convencionais sem cobrador. É Scania, motor traseiro, não é OF tampouco VW OED. E aí? Qual será a reação daqueles que bajulam esse atual Prefeito?

    Apesar de ter 12,50 m, aproxiamdamente, o mesmo tamanho de carros de 12,40 m MB OF-1721/1722 e VW17230 OED. Link: http://3.bp.blogspot.com/-VrzJmqtzkrU/TlfX6jsXuUI/AAAAAAAAAio/vs47BGwMm_A/s1600/translitoranea-mega-brt-002.jpg

    ResponderExcluir
  3. Só para entender a "integridade" do grupo político de Paes / Cabral Filho, um ex-funcionário do Projeto Lei Seca do Governo do RJ brincou de fórmula 1 com seu carrinho e, embriagado, atropelou quatro pessoas, uma delas em estado gravíssimo.

    É, mas nós temos que achar que esse grupo político é "santo"... Tudo em nome de 2014/2016...

    O que tem de busólogo querendo conhecer pessoalmente Pelé, Carlos Arthur Nuzman, Zagallo... Por isso é que o pessoal passou a defender a padronização visual, virando busólogo chapa-branca e tudo o mais.

    Mas o caso da Matias não é invenção minha, não. Senti o ônibus sacolejando feito caminhão de entulho. E o ônibus só tem três anos de fabricação. E a Matias já está toda com o visual Internorte, vale lembrar (se bem que se vê marcas do número e logotipo da antiga pintura no 25549).

    ResponderExcluir
  4. Hoje mesmo, foi postado uma rádio-leão dizendo que a Pégaso quer chegar a 1.000 carros. Bem, é opinião de quem teve quase 30 anos de busologia desde dos 6 anos de idade, mas, com o desleixo da frota, como é que fica?

    Há ainda essa história mal contada que não pode haver cisão onde, na Pégaso, tem que haver urgentemente essa cisão e, se for verdade, é uma irresponsabilidade da atual administração da Prefeitura do Rio achando que as empresas são super-homens. Nem a Rio Ita ousou ter a numeração RJ152.999 antes de repassar algumas linhas para a Fagundes em 2001. Fora essa bagunça de haver 1 empresa e 2 prefixos que, sinceramente, é uma tragédia para mim.

    Para encerrar, houve questionamentos aqui e acolá da fusão do Carrefour e do Pão-de-Açúcar, mas, no setor de ônibus...

    ResponderExcluir
  5. Até a pintura do Metrô foi vítima pela "MUDERNIDADE" do sr.Prefeito: foi visto o Caio-Apache VIP II MB OF-1722 de 2009, o 86309 com a farda da VIAÇÃO CIDADE DO RIO DE JANEIRO onde esse carro é efetivo no Metrô. Fonte: site "Ônibus Expresso" na pasta da Bangu.

    Valeu, Prefeito!

    Ah, outra coisa: fiquei na dúvida se a Real sofreu uma cisão porque estão vindo carros rodoviários com o nome de PREMMIUM AUTO ÔNIBUS. Se é mesmo uma cisão, então, a numeração está uma bagunça porque o normal era para começar do 41501 indo até meados do 41580 porque, antes da farsa, a frota rodoviária da Real era de, aproximadamente, 80 carros.

    ResponderExcluir
  6. O 86309 foi, simplesmente tirado do Metrô, logo, teve a farda da VIAÇÃO CIDADE DO RIO DE JANEIRO.

    Mais um modelo para as montagens.

    Sobre essa PREMMIUM AUTO ÔNIBUS, um funcionário da Real, membro da comunidade "Ônibus em Debate" citou de uma rádio-leão sendo tocada internamente de uma SUPOSTA cisão da Real onde algumas linhas urbanas como 170 e 178 iriam para essa empresa afiliada. Se for confirmado isso, então, os busólogos "profissionais" podem ter errado feio, logo, empresas como Pégaso e Jabour teriam que fazer as suas cisões urgentemente se for confirmada essa rádio-leão da cisão da Real e espero que seja o prefixo 415xx até porque, por enquanto, essa Prefeitura, lamentavelmente, importou aquela bagunça de SP, ou seja, 1 empresa e vários prefixos.

    ResponderExcluir
  7. Na comunidade "Busólogos do RJ", foi postado que a Associação de Moradores da Urca mais a sra.Veredadora Leila do Flamengo está querendo tirar os pontos finais das linhas 107, 511 e 512 para transformá-las em linhas circulares e tendo aquele episódio histórico da história mal contada da extinção do 442 -Lins x Urca (passou por "n" empresa e a última foi a Matias) no começo dos anos 90 que teve influência de vereador e tudo. Um documento foi entregue na mesa do sr.Prefeito.

    Aquilo: mais um motivo do meu posicionamento a essa licitação.

    Sobre a nobre Vereadora, vendo um fato que não lembro direito no Cosme Velho, me passa a impressão que ela odeia pobre, mas, isso é papo em outros lugares.

    É bom salientar que, pegando o gancho do extinto 442- Lins x Urca, nem todo morador de Urca era a favor da extinção do 442. Será que alguém é contrário a essa sacanagem que está sendo montada nos bastidores?

    Foi postado ontem (02/09) no "Busólogos do RJ", um boato que pode haver licitação em 2012 em Nilópolis e a famigerada farda seria adotada também.

    Espero que seja no campo da rádio-leão. Como esses políticos estragam o hobby...

    Tudo em nome da politicagem até porque 2012 é ano eleitoral.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...