quinta-feira, 12 de maio de 2011

FIM DA VIBEMSA COMPLETA 20 ANOS



Há duas décadas, a lendária empresa Viação Beira Mar S/A (Vibemsa), que circulou em Salvador (Bahia) a partir de 1963, foi extinta, dando origem a quatro novas empresas: Bahia Transportes Urbanos (BTU), Transportes Ondina, Viação Rio Vermelho e Transportes Verdemar.

A notícia gerou impacto, mediante o inchamento administrativo da antiga Vibemsa, que era uma empresa admirável, mas cresceu demais, sobretudo quando, no final dos anos 90, "alimentou" seu patrimônio com várias linhas em pool, "comendo" pelas beiradas.

A divisão do espólio da Vibemsa se deu sem que houvesse uma distribuição diferenciada de carrocerias para cada empresa. Portanto, foi uma distribuição quase igual. As linhas também tiveram uma distribuição aleatória de áreas, envolvendo até mesmo linhas recém-criadas como 0914 Stiep / Vale dos Rios R3, 0915 Stiep / Vale dos Rios R4, 0931 Rio das Pedras / Campo Grande R1 e 0932 Rio das Pedras / Campo Grande R2, que redistribuíram os percursos de linhas extintas. A ampliação da linha 0901 Boca do Rio / Calçada para a localidade do Lobato, no começo do subúrbio ferroviário, também é dessa fase.

Os ônibus, a princípio, circularam com a mesma pintura da Vibemsa. Apenas o nome da empresa e do carro - alguns números de carro da antiga Vibemsa foram preservados nas frotas da Rio Vermelho e Verdemar, devido à série 10xx a 15xx, divididas para as duas empresas. Já a Rio Vermelho adotou a série 25xx a 27xx, na frota urbana. A BTU assumiu a série 35xx a 37xx.

As frotas intermunicipais e executivas também foram divididas para as quatro empresas, que ainda em 1991 não tardaram a desenvolver suas próprias identidades visuais, lançadas em novos carros que substituíram os mais antigos.

Com o tempo, o troca-troca de linhas alterou o quadro dessas empresas. Primeiro, em 1992, quando a segmentação das linhas por empresa e área de bairros, que incluía o desmanche gradual do sistema de pool, e o processo inverso (movido por politicagem) a partir de 1997, representaram tais mudanças.

A Verdemar deixou de ter frota rodoviária e intermunicipal no final dos anos 90. Ela simplesmente se retirou da frota intermunicipal, deixando para trás os saudosos interurbanos da Ciferal GLS e os carros da Aratu Ondina que havia pego da Vibemsa, além do "filho único" da Mercedes-Benz O-370, "rachado" às quatro empresas do único lote de quatro carros.

Em 1999, a Transportes Ondina realizou sua partilha, preservando a empresa-mãe e gerando a Central de Salvador Transportes Urbanos. Nessa época, a Ondina experimentou pintar sua frota intermunicipal com a cor totalmente verde e a BTU intermunicipal com a "saia" amarela, sugerindo cisão, mas ambas não ocorreram e a BTU retomou a "saia" azul. Mas a Ondina intermunicipal, em 2004, passou a ser conhecida como ODM Transportes (Ondina Divisão Metropolitana). Em 2008, a Rio Vermelho intermunicipal se transformou em Via Nova Transportes.

SETOR CABULA-CAJAZEIRAS DEVERIA TER NOVAS EMPRESAS

Em 2002, a redistribuição de linhas tornou-se caótica e aleatória, sem determinar áreas de bairros. Com o fim da Coletivos Lapa (uma das herdeiras da antiga TSS) e outro troca-troca de linhas de 2003, as "filhas" da Vibemsa (mais a "neta" Central) passaram a ter um "setor" Cabula-Cajazeiras que complicou ainda mais a situação das empresas, devido aos interesses políticos que estão por trás.

O setor Cabula, dizem rumores, teria sido criado por dois motivos: diminuir a influência da Joevanza, São Cristóvão e Farol da Barra (estas duas herdeiras da TSS) na região e compensar a não criação de novas linhas ligando Itapuã e Aeroporto pela Av. Luís Eduardo Magalhães, inaugurada em 2001. Somente a 1055 Estação Mussurunga / Ribeira foi criada para esse fim, e foi assumida pela Central.

Além desse detalhe, outro aspecto negativo, nos últimos anos, é a decaraterização visual da Ondina e Central - que se tornaram parecidas com sua estampa "encolhida" sob um visual branco básico, com pára-choque verde-oliva - , e, depois, da Transportes Verdemar, apelidada pejorativamente de "Brancomar". A Rio Vermelho ainda mantém seu logotipo em tamanho enorme, o que torna o visual branco menos incômodo ou confuso.

O ideal seria é que novas empresas - ou talvez uma nova empresa administrada pelas herdeiras da Vibemsa - possam trabalhar o setor Cabula-Cajazeiras, incluindo o desmanche do pool na linha 1320 Pau da Lima / Nordeste, possam (ou possa, no caso de uma) ser criada para melhorar o serviço.

2 comentários:

  1. A Vibemsa foi a maior empresa do Brasil com razão social única. Ela utilizava originalmente a numeração que ia de 1000 até 1399. Com a compra da Vidusa, em 1978, a Vibemsa criou uma cisão denominada Beira Rio que utilizou as mesmas numerações da Vidusa (2000 e 2100). Mais tarde, a Vibemsa englobou a Beira Rio e passou a utilizar a numeração que ia de 1500 até 1699. Além disso, a Vibemsa utilizava na sua frota intermunicipal a numeração que ia de 400 até 499. Também, a Vibemsa atuava no fretamento de empresas do Pólo e do CIA e no segmento de Turismo. Nesses serviços ela utilizava as numerações : 700 até 799, 800 até 899, 900 até 999, 1700 até 1799.

    ResponderExcluir
  2. Além disso, a VIBEMSA foi a primeira empresa de ônibus de Salvador a ter em sua frota veículos com motor Scania, além de ter o primeiro articulado (cujo número era 1201). Em 1989, a VIBEMSA atingiu a marca histórica de 1230 veículos em sua frota, consolidando a sua hegemonia na capital baiana. Em 26 de abril de 1991, ocorreu a cisão, mas em Salvador, a estampa da empresa só desapareceu completamente em 1992. Na região metropolitana, em 1994 (o último ônibus com a estampa da VIBEMSA tinha a numeração 762).

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...