quarta-feira, 18 de agosto de 2010

EMPRESAS DE ÔNIBUS DO RJ DEVEM CRIAR FUNDO PARA REPINTURA DE ÔNIBUS



Uma sugestão que deveria ser cumprida à risca e com urgência pelos empresários de ônibus cariocas é a criação de um fundo exclusivo para repinturas de ônibus.

Embora o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, ainda não se pronunciou com firmeza em prol da uniformização visual dos ônibus da cidade, medida de caráter impopular que trará prejuízos para a população, os rumores continuam.

Os documentos da licitação do transporte coletivo não falam em uniformização visual - seu texto se limita a mencionar a padronização de layout, coisa que já acontece, há mais de 50 anos, entre os ônibus do Rio de Janeiro, que é o visual padrão de apresentação do nome da empresa e do carro da frota - , mas muitos busólogos ainda estão apreensivos sobre a adoção ou não da padronização visual, tal como ocorre nos já decadentes sistemas de ônibus de Curitiba e São Paulo.

Com a uniformização visual, o risco dos passageiros pegarem ônibus errados será enorme. A população da Baixada Fluminense que frequentemente pega vários ônibus, incluindo os municipais cariocas, será a mais lesada. Um passageiro correrá o risco de pegar a linha 779 Madureira / Pavuna pensando ser a 942 Penha / Pavuna, no bairro da Pavuna, ou então pegar a linha 474 Jacaré / Jardim de Alah, no mergulhão da Av. Alfred Agache, pensando ser a 455 Méier / Copacabana, por conta das mesmas cores.

Isso é um transtorno que Bilhete Único nenhum irá compensar, sobretudo quando o caso for de levar doentes para um hospital, pois neste caso o risco de pegar o ônibus errado pode dar até mesmo na morte do paciente.

Diante de mil transtornos e pelo fato de cidades como Natal e Florianópolis terem descartado a padronização visual de seus ônibus, o necessário é que os donos de empresas de ônibus, se forçados a repintar suas frotas devido ao visual padrão imposto por Eduardo Paes e pelos tecnocratas do transporte, criarem um fundo para quando as circunstâncias exigirem a volta do visual diversificado das empresas de ônibus.

Isso porque a uniformização visual dos ônibus cariocas poderá causar transtornos graves e será muito difícil que os ônibus completem a repintura neste sentido, pois a escandalosa quantidade e gravidade de transtornos e problemas vividos pelos passageiros poderá barrar a uniformização visual antes mesmo que 80% das frotas recebam o visual padrão.

Por isso mesmo, a criação do fundo será a antecipação de depósito financeiro, de forma a haver dinheiro na caixa para as empresas investirem na repintura dos ônibus no padrão diversificado (que vale hoje), depois do fracasso - já apontado como provável por especialistas - da uniformização visual dos ônibus cariocas.

Um comentário:

  1. Alexandre,
    Estava ha algumas semanas pesquisando sobre o transporte da São Paulo e vi que isso vem desde a época que o dono do Itau era prefeito de lá. Quando ele implantou isso nem eram bem uma padronização de pintura única, pois as empresas de lá só adaptavam suas pinturas ao formato imposto da prefeitura. Isso foi no final da década de 70 e trouxe imensos transtornos aos paulistanos e inclusive as próprias empresas e encarroçadoras, já que as mesmas recebiam os ônibus com a pintura original da empresa e chegando na garagem tinham que trocar. Havia muitos casos pessoas pegarem ônibus errado. Recentemente a EMTU( o Detro de São Paulo) fez uma palhaçada desta obrigou as empresas a mudarem a padronização visual duas vezes, sendo que na última, a pressa o chilique dessa autarquia foi tanta que as empresas intermunicipais de lá foram obrigadas a colocarem os ônibus nas ruas mal pintados e as vezes sem número de ordem sem nada, pois se assim não fizessem não poderiam trabalhar, sob risco de deixar os passageiros na mão. Ou seja, a padronização só serve para fazer propagandas de governos corruptos e para trazer transtornos para população e para os empresários, pois padronização por região como você mesmo disse não é sinônimo de facilidade de locomoção, uma vez que um bairro que pertence a uma determinada região de outro pode ser longe do bairro que se quer ir. Um exemplo é Realengo e Campo Grande, são bairros distantes um do outro. Se você pegar um ônibus com a cor padronizada indo para Realengo pensando que este bairro é do lado de Campo Grande você vai se ferrar feio. E outra, com ferramentas de localização como Google Earth e mapas virtuais a padronização perde sentido. E que nem quando construíram Brasília que se dizia que era para proteger o governo de ameaças externas pelo mar, porém isso já não fazia mas sentido, uma vez que já se existiam armas aéreas e terrestres que faziam mais estragos que muitas armas marítimas. Entendeu a comparação?

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...